O e-mail revolucionou a vida e o trabalho das pessoas. Hoje, qualquer tipo de negócio usa o e-mail para se comunicar com equipe, clientes e parceiros. Estimasse¹ que existem 3,7 bilhões de contas em todo o mundo e 269 bilhões de mensagens são enviadas diariamente.

A ferramenta é tão importante que ultrapassou o trabalho e tornou-se indispensável na vida pessoal. Mas junto com a revolução do e-mail, os profissionais e as empresas ganharam alguns problemas: o alto número de mensagens e as caixas pretas.

Administrar a grande quantidade de mensagens e todos os desdobramentos que cada mensagem demanda leva as pessoas a perdem um grande tempo lendo e apagando mensagens. O trabalho mina a produtividade.

Quando um profissional deixa o projeto, está de férias ou afastado alguns dias por licença, as mensagens do e-mail se tornam uma caixa preta, praticamente inacessíveis e desaparecidas. Você sabe onde estão guardadas, mas não tem um acesso rápido e simples.

Chegamos ao absurdo de criar leis para mascarar o problema.

A CAIXA PRETA E O E-MAIL

Você sabia que cresce o número de empresas que não utilizam o e-mail no dia a dia de suas operações. E-mails recebidos nas caixas individuais se tornam inacessíveis com a ausência do profissional ou mesmo se perde nas enormes trocas de mensagens.

PROJETO DE LEI “PROÍBE USO PARTICULAR DE E-MAILS”

A situação atinge empesas privadas e até órgãos públicos. Você sabia que chegamos ao absurdo de editar projetos de lei para regulamentar o uso do e-mail sob o argumento de que mensagens pessoais sobrecarregam o endereço eletrônico das instituições e para que seja permitido que as mensagens enviadas ou recebidas por e-mails institucionais sejam acessadas por outros membros do projeto.

Tramita na Câmara dos deputados o projeto de Lei  7352/2010 que proíbe o uso particular de e-mails de entidades da administração pública federal. De acordo com o parlamentar que propôs o projeto “mensagens pessoais sobrecarregam o endereço eletrônico das instituições, além de, eventualmente, veicular conteúdos impróprios ou alheios ao trabalho”.

Fontes:

1 - http://www.radicati.com/